6 coisas que homens bons de cama geralmente fazem na hora h



6 coisas que homens bons de cama geralmente fazem na hora h

Como cada pessoa possui preferências próprias e particulares em relação íntima , não é simples definir o que é ser “bom de cama”.

Ao contrário do que muita gente imagina, mandar bem na intimidade não significa, exatamente, apostar em grandes malabarismos e poses exóticas.

Confira alguns exemplos de coisas que homens considerados mestres em dar prazer costumam fazer entre quatro paredes:

Homens bons de cama: o que eles fazem?

1. Antes de qualquer coisa, o homem bom de cama sabe transmitir através de olhares o desejo antes, durante e depois da transa.

2. O homem bom de cama ainda sabe que, para ser prazeroso, a relação íntima precisa de clima.

Então, investe em excitação crescente e tem técnicas próprias para atiçar aos poucos a pessoa com quem está, sempre caprichando em toques certeiros nas preliminares.

3. Para ser bom de cama, o homem ainda deve se mostrar confiante nos próprios talentos.

Ao contrário do que muitos pensam, tamanho do membro masculino, barriga sarada e braços malhados não são garantia de prazer, mas sim o poder de sedução que ele é capaz de transmitir quando se sente seguro.

4. Um homem bom de cama também deve deixar a timidez de lado e não ter vergonha de gemer, sussurrar e emitir sons de prazer durante a relação íntima.

Quando genuínos, os sinais aumentam a excitação e rendem uma transa mais quente a ambos.

5. O homem bom de cama não é aquele que acha que supostamente domina todas as técnicas de prazer encontradas em manuais ou pensa que toda pessoa é igual e que gosta de ser acariciada sempre da mesma maneira.

Ele sabe ouvir o outro e não teme ser conduzido quando precisa.

6. Normalmente, o homem bom de cama ainda é aberto a novidades e não tem medo de realizar fantasias e fetiches sugeridos a ele – desde que não ultrapassem seus próprios limites.

Ele se mostra interessado em experimentações e gosta de testar diferentes formas de prazer, sem preconceitos ou julgamentos.



Tecnologia do Blogger.